Logística e transporte no agronegócio brasileiro

2022-05-20T09:05:51-03:0017/05/2022|Categorias: Logística e Transportes|

Você já parou pra pensar na relevância do agronegócio para o transporte rodoviário de cargas no Brasil? Como grande parte destes insumos vão para exportação, muitos já pensam logo nos portos e aeroportos. Mas, a logística e transporte no agronegócio brasileiro é responsável por cerca de 61% do escoamento de cargas do setor no país, conforme dados da CNT (Confederação Nacional do Transporte).

Sem tempo para ler? Aperte play no áudio!

Logística e transporte no agronegócio brasileiro

Segundo cálculo realizado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Esalq/USP, em parceria com a CNA (Confederação Agrícola e Pecuária do Brasil), a movimentação de logística e transporte no agronegócio brasileiro cravou 26,6% do PIB nacional em 2020, o que, em reais, significa R$ 2 tri dentro do nosso Produto Interno Bruto.

E, além de já ostentar grande importância para o mercado brasileiro, o segmento se mostra promissor, já que em 2021 a 6ª edição do “Relatório Fretebras – O Transporte Rodoviário de Cargas”, mostrou que o volume de fretes neste setor aumentou 46,9% em relação ao ano anterior.

Por isso, hoje vamos te ajudar a ficar ainda mais por dentro do setor e, com informação de qualidade, acelerar os negócios neste promissor mercado que alimenta mais de 800 milhões de pessoas pelo mundo todo.

 

Como é feito o transporte de cargas no setor agrícola?

Como já comentamos na introdução do conteúdo, o modal mais utilizado no agronegócio brasileiro é o rodoviário, com cerca de 61% desta responsabilidade.

Na sequência, temos o ferroviário com cerca de 24% do volume e, como importante via de exportação deste tipo de produto, em terceiro lugar fica o meio aquaviário, com 12%.

Os principais setores do agronegócio e os produtos que circulam por ele

Para começar, vale destacar que o agronegócio se divide em três setores de atuação.

  • Primário: produtores rurais, pecuaristas e agricultores.
  • Secundário: fabricantes de insumos e agroindústrias.
  • Terciário: distribuidoras, transportadoras e comerciantes de tais produtos.

E agora, partindo para os produtos que estão sempre no topo do setor agrícola, citaremos os 11 que foram considerados pela Revista Exame como “Maiores e Melhores”.

  • Açúcar e álcool
  • Adubos e defensivos
  • Algodão e grãos
  • Café
  • Carne bovina
  • Leite e derivados
  • Madeira e celulose
  • Máquinas e equipamentos
  • Óleos, farinhas e conservas
  • Revenda de máquinas
  • Têxtil

 

Tipos de caminhões e carrocerias mais utilizados no agronegócio

Entender qual tipo de caminhão é o mais apropriado para o transporte no agronegócio é uma tarefa mais complicada do que parece.

São muitos os tipos de caminhões e carrocerias, com diferentes funções, e uma escolha errada pode custar muito dinheiro.

Então, para compartilhar um pouco de quais são os tipos de caminhões e carrocerias mais utilizados no agronegócio e também ajudar nas suas escolhas, acompanhe nossa seleção.

 

Carretas, Toco e Truck com carroceria Grade Baixa ou “Carga Seca”

Muito comum para o transporte de sacarias, peças, mercadorias em caixas, tambores, entre outros.

Rodotrem, Bitrem, Truck e Carretas com carroceria Grade Alta ou “Graneleira”.

Tem alta abrangência no transporte de insumos, como cereais a granel, fertilizantes, sacarias, adubos e muito mais.

VUC e Carreta LS com carroceria Baú.

Transporta, principalmente, cargas secas, sacas, caixas e paletes.

Canavieira

Como o próprio nome já sugere, é ideal para o transporte de cana de açúcar.

Florestal

Ideal para o transporte de toras de madeira.

Boiadeira

Veículo aderente para o transporte de animais vivos.

 

Principais desafios do transporte rodoviário de cargas no agronegócio brasileiro

Infraestrutura das estradas e portos

Entre os principais problemas do transporte de insumos agrícolas no Brasil, está a infraestrutura das estradas e portos do país.

A condição dos pavimentos das estradas, a falta de polarização nos pontos de entrega e saída destas cargas e grandes distâncias a serem percorridas pelos caminhões estão entre os principais pontos.

Segundo uma pesquisa feita pela CNT (Confederação Nacional do Transporte), as condições das estradas brasileiras aumentam em 26,7% os custos de transporte, fora o risco da perda de todo um planejamento, devido às longas filas de caminhões que se formam nos portos do sul e sudeste.

Roubo de cargas

Além desta ser uma das regiões que mais sofre com a precarização das estradas do Brasil, ela também guarda um dos maiores índices e medos de quem vive da estrada: o roubo de cargas.

Em 2020, foram registradas 14.159 ocorrências, segundo a Associação Nacional de Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística), sendo 1,91% computado para o Centro-Oeste, 81,33% para o Sudeste, 8,89 para a Sul e 6,66% para o Nordeste.

 

Armazenamento

Citando novamente a CNT, em um seminário sobre déficit de armazenagem em 2021, Stelito Reis, superintendente de armazenagem da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), apontou um cenário em que a produção de grãos está evoluindo muito no país e a capacidade de armazenagem não tem conseguido acompanhar.

No Centro-Oeste, principal região produtora do agronegócio no país, os centros de armazenagem já funcionam próximos a 100% da sua capacidade, o que não é confortável, pois caso algum deles tenha problemas, haverá fila de espera para estocagem e também possíveis perdas, devido a perecibilidade das cargas.

Assim como já tem acontecido na região da Manitoba, no Norte e Nordeste do país, que chega a cerca de 12 milhões de toneladas de grãos em espera de armazenamento a cada safra.

 

Alto valor dos fretes

Fora os custos logísticos normais do dia a dia, somados aos que vem pelas dificuldades do setor apresentadas acima, o preço do frete agrícola sofreu um aumento considerável em 2021, chegando a uma alta de 13%, conforme pesquisa realizada pelo Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial da Esalq/USP (Esalq-Log), baseada na média de preços do mercado interno.

À época, a interferência da pandemia na produção agrícola se mostrou a maior vilã, mas isso não tira o fato de que o mercado é muito suscetível a questões econômicas e de produção que devem ficar no radar das transportadoras.

 

Sazonalidade

A sazonalidade influencia bastante o setor de logística e transporte no agronegócio brasileiro.

Cada tipo de insumo cultivado e transportado depende de uma condição climática, época do ano, diferentes maquinários e técnicas de trabalho para que vinguem e deem o resultado esperado.

Tudo isso pede um grande planejamento, tanto de quem cultiva, quanto de quem transporta, pois a questão não é só para lidar com aquele insumo em particular, mas também sobre como você lucrará nas outras épocas do ano e como deixará o “terreno” pronto para quando a próxima sazonalidade chegar.

 

Cargas perigosas: transporte de fertilizantes e defensivos agrícolas

Estes tipos de produtos são considerados cargas perigosas para transporte e por isso contam com decretos, leis e normas estabelecidas pela ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre), que são necessárias para que nem o motorista e nem a população possa sofrer com algum tipo de contato com a carga.

Para os defensivos agrícolas, produtos utilizados para o controle de pragas nas plantações, algumas práticas exigidas são: a carga não pode ter contato com alimentos, animais ou outras mercadorias, estar sempre nas caçambas do veículo na hora do transporte e cobertas por lona, avaliar antes do transporte se as embalagens não apresentam qualquer tipo de violação, ter em mãos a nota fiscal para facilitar a fiscalização, entre outros.

Para o transporte de fertilizantes, produtos que repõem os nutrientes do solo e ajudam no melhor desenvolvimento das plantações, os cuidados giram em torno de: utilização de EPI’s (Equipamento de Proteção Individual), evitar contato com a pele e olhos, respeitar as instruções das embalagens, garantir a fiscalização e por aí vai.

As consequências do não cumprimento de todas as normas que envolvem o transporte destes dois tipos de carga, além de poder causar danos à natureza – por vezes, irreparáveis -, também pode resultar em grandes penalidades às transportadoras ou até reclusão, em alguns casos.

Por cada assunto que passamos, seja ele sobre oportunidades ou desafios, o que fica é a necessidade de um bom planejamento e informação de qualidade para conseguir lidar com um mercado tão complexo, vasto e promissor como o agronegócio.

A cada sazonalidade, a cada ano, o que vemos são notícias de safras recorde e ainda mais evolução para este mercado, por isso não hesite em buscar recursos na tecnologia para acompanhar sua modernização e estar sempre à frente.

Para aproveitar as oportunidades dos recordes de safras com a tecnologia necessária para te ajudar a expandir o seu negócio, você pode contar com a nossa plataforma e diversas outras soluções pensadas especialmente para quem vive da estrada.

É uma oportunidade de se aproveitar da alta demanda que o setor de logística e transporte no agronegócio brasileiro gera para o mercado.

Explore nosso site e fale com um dos nossos especialistas!

Compartilhe: