Logística e Transportes

Custo de transporte rodoviário: descubra como calculá-lo!

Calcular o custo de transporte rodoviário é a primeira etapa para chegar a um valor ideal de frete. Para que esse valor seja justo, tanto para o caminhoneiro quanto para a empresa que o contrata, vários fatores devem ser levados em consideração.

O transporte rodoviário é o modal mais utilizado no Brasil. Mas, devido às condições das estradas brasileiras, o custo pode comprometer até metade do orçamento das entregas. Por isso, é preciso estar atento a esse cálculo para que haja competitividade no processo.

Se você se interessou por esse tema e quer entender melhor como realizar esse cálculo, continue lendo este artigo.

Qual a importância do cálculo de custo do transporte?

Calcular o custo do transporte é importante, pois essa é uma das etapas pertencentes à logística. Sem esse valor devidamente calculado e planejado, há grandes chances de a organização ter prejuízos e atrasar as suas entregas.

Dessa forma, o gestor responsável deve entender todos os pontos que abarcam esse custo para conseguir chegar a um valor ideal. Há gastos fixos, gastos variáveis, impostos, despesas administrativas e taxas que variam de acordo com o peso e o quilômetro rodado.

Outro ponto importante é que o gestor deve se colocar do outro lado da relação e dimensionar os gastos dos caminhoneiros. Por exemplo, eles têm gastos fixos, como a manutenção do veículo, gastos com combustíveis, desgaste com pneus e depreciação dos veículos — e tudo isso deve ser levado em conta.

Como calcular o custo de transporte rodoviário?

Calcular o custo do transporte rodoviário não é uma tarefa muito simples. Afinal, há muitos fatores envolvidos e diferentes maneiras de se chegar a um valor. O importante é que você compreenda como calcular e entenda quais fatores fazem a diferença. Depois, é só adequá-los à sua realidade.

Padrões da ANTT

Como explicamos acima, há várias possibilidades de chegar a um valor, e uma delas é seguindo a tabela da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Esse órgão federal é responsável por legislar, fiscalizar e supervisionar as atividades de prestação de serviço e uso da infraestrutura de transportes, mantendo o equilíbrio entre empresas e trabalhadores do setor.

Pensando nisso, a agência criou uma Política Nacional de Pisos Mínimos de Transporte Rodoviário de Cargas, orientando como calcular o custo do transporte por meio de valores prefixados.

Confira este exemplo baseado nos valores da ANTT: uma contratação de serviço de transporte rodoviário de cargas na contratação de um veículo automotor de cargas + implemento rodoviário, para uma distância de 300 quilômetros, com o tipo de carga granel sólida e uma composição de 7 eixos.

Pelo tipo de transporte, os valores do coeficiente de custo de deslocamento (CCD) e de carga e descarga (CC) na Tabela da Resolução ANTT nº 5.849/2019 são: CCD = 3,8479 e CC = 310,60.

O piso mínimo é calculado por (distância x CCD) + CC. Ou seja, (300 x 3,8479) + 310,60, totalizando R$ 1.464,97. Esse seria o valor da entrega segundo o padrão da ANTT, mas há outras formas de fazer esse cálculo identificando os valores separados.

Distância em quilômetros

Quanto maior for a distância entre a origem e o destino de entrega, maior será o tempo na estrada e, consequentemente, o risco também aumentará. Para resguardar os caminhoneiros, a Associação Nacional de Transporte de Cargas estabeleceu uma tabela de alíquotas relacionadas à distância.

  • 1 a 250 Km: 0,30%;
  • 251 a 500 Km: 0,40%;
  • 501 a 1.000 Km: 0,60%;
  • 1.001 a 1.500 Km: 0,70%;
  • 1.501 a 2.000 Km: 0,80%;
  • 2.001 a 2.600 Km: 0,90%;
  • 2.601 a 3.000 Km: 1,00%;
  • 3.001 a 3.400 Km: 1,10%;
  • acima de 3.400 Km: 1,20%;
  • coleta e entrega: 0,15%.

É importante ressaltar que essa tabela tem relação com a carga e não com o caminhão. Assim, não é possível considerar o trajeto de ida e volta.

Custos fixos e variáveis

Para os caminhoneiros, há custos fixos que estarão envolvidos em todas as viagens e que serão incluídos no valor do transporte — por exemplo, os impostos (como IPVA e DPVAT) que são cobrados anualmente. Além disso, há os seguros veiculares e a depreciação, que ocorrerá sobre o caminhão com o passar do tempo.

Já no caso dos custos variáveis, eles oscilam de acordo com o uso. Eles se referem à manutenção preventiva e corretiva, à troca de pneus, ao combustível, aos gastos com pedágio e ao seguro da carga, que também é chamado de seguro de responsabilidade civil e é obrigatório a todo serviço de frete. Seu objetivo é cobrir avarias e perdas ocasionadas pela responsabilidade do caminhoneiro.

Despesas administrativas

O gestor também deve levar em consideração as despesas indiretas, mas que se relacionam com o setor de transportes — por exemplo, os custos com a administração do local e de pessoal da transportadora. Eles se referem ao salário pago aos profissionais que trabalham no galpão despachando as entregas e ao responsável administrativamente por gerenciar as entregas. Além disso, deve-se incluir o valor de aluguel, da luz e dos impostos da empresa.

Custos relacionados ao valor

Também é preciso considerar os custos relacionados aos valores das cargas. Eles variam conforme o risco de acidentes, de avarias e de roubos e podem ser divididos em dois grupos. O gerenciamento de risco de acidentes ou avarias — frete valor — que agrega uma quantia baseada no valor da administração de seguros, indenizações por extravios, perdas e danos.

Já o custo de gerenciamento de risco de roubos — GRIS — inclui os seguros facultativos, o desvio de cargas, os salários dos caminhoneiros e os investimentos em sistemas de rastreamento e equipamento de gestão de riscos.

O ICMS é outro imposto cobrado sobre as operações de transporte de mercadorias e prestação de serviços entre municípios e estados.

Peso e cubagem

O peso e a cubagem também devem ser analisados. O peso define quanto o caminhão gastará de combustível e quanto os pneus sofrerão de desgaste, dessa forma, cargas mais pesadas tendem a ser mais caras.

Outra maneira de calcular o custo do transporte rodoviário é levando em consideração o volume da mercadoria. Há cargas muito volumosas que preenchem muito espaço no caminhão. Caso esse volume não seja levado em consideração, a tendência é que o preço cobrado não seja justo.

Entender todas as variáveis e opções para calcular o custo de transporte rodoviário não é uma tarefa simples, porém, é preciso compreender as possibilidades para garantir um preço justo e rentável de operação.

Gostou do nosso conteúdo? Entendeu melhor sobre como calcular o custo de transporte rodoviário? Então continue acompanhando nossos posts pelo Blog.

Mais pessoas podem aprender. Compartilhe!

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *