Logística e Transportes

Vale a pena contratar um seguro de carga? Descubra!

Diariamente, as transportadoras carregam cargas de terceiros para suas entregas e, durante os fretes prestados, há um risco constante, tanto de acidentes quanto de roubos.

O seguro de carga é algo vital para um negócio de transportes e deve fazer parte do planejamento de custos e do gerenciamento de riscos – atividade fundamental da gestão de frotas. Lembrando que o principal objetivo de qualquer empresa é alcançar a satisfação do cliente, e uma transportadora só conseguirá atingir esse patamar se oferecer segurança para a carga que está sendo transportada.

Você quer implementar um seguro de carga na sua empresa, mas não sabe como ou quais são os benefícios? Então, continue lendo que esclareceremos todas as suas dúvidas! 

O que é um seguro de carga?

O seguro de carga é um contrato que a transportadora faz com uma empresa seguradora, para proteger a companhia, caso aconteça algum incidente durante o trajeto da entrega, assegurando que as perdas ou os danos sejam reparados financeiramente.

Há, porém, mais um detalhe muito importante: a lei obriga que qualquer carga a ser movimentada pelo país esteja assegurada, independentemente do responsável pela mercadoria ou pelo veículo. Sendo assim, quando falamos de seguro de carga, podemos separá-lo da seguinte forma:

  • seguro de carga de transporte: de responsabilidade do vendedor ou comprador da mercadoria;
  • seguro de responsabilidade civil: de responsabilidade do transportador.

Hoje, existem diversas modalidades, que devem ser escolhidas de acordo com as necessidades da transportadora. Elas variam por suas coberturas, que podem assegurar desde simples avarias na carga até acidentes graves. 

Como funciona esse tipo de seguro?

A modalidade a ser escolhida do seguro de carga depende do ramo de atividade em que a empresa trabalha, ou dos produtos que a transportadora manipulará ao prestar o serviço de frete. Depois da escolha da modalidade, cria-se uma apólice, na qual estarão considerados a mercadoria e o produto a ser transportado.

O seguro obrigatório de responsabilidade do transportador chama-se RCTR-C, ou Seguro de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga, e essa apólice protegerá a mercadoria em qualquer caso de acidente que danifique a carga.

Além disso, há o Seguro de Responsabilidade Civil Facultativa do Transportador Rodoviário por Desaparecimento de Carga, ou RCF-DC, que é um seguro facultativo, que protege tanto a mercadoria quanto o veículo de roubos durante a prestação do serviço.

Ainda há outro detalhe a ser escolhido: qual a cobertura que a empresa deseja contratar. Esse ponto definirá o range de atuação do seguro, e até que ponto a carga e o veículo estarão assegurados. 

Quais são os principais riscos em um transporte de cargas?

Seja por imprudência do condutor do veículo, seja por causa das condições das estradas, seja pela localização do destino, qualquer atividade relacionada à movimentação de mercadorias traz risco, tanto para a carga quanto para o condutor e o veículo. 

Assaltos e roubo de cargas

De acordo com a Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC), o prejuízo com roubo de cargas no Brasil foi de, aproximadamente, R$ 2 bilhões, resultado de 22 mil roubos de carga no ano de 2018.

Com a alta incidência, o roubo de carga é um dos principais riscos a serem considerados ao contratar um seguro de carga, principalmente para áreas que tenham maior índice de ocorrência. 

Estradas em má condição e mal sinalizadas

O transporte rodoviário é o mais utilizado no país, sendo o responsável pelo escoamento da maior parte da produção, desde produtos agropecuários até a indústria automobilística. Mas, mesmo assim, é o modal que mais sofre com problemas de infraestrutura.

De acordo com uma pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT), 59,2% das estradas brasileiras apresentam problemas com a sinalização, e a Fundação Dom Cabral levantou que 45,3% das rodovias no país estão em condições inadequadas. 

Imprudência dos motoristas

Outro fator de grande relevância e que traz risco para a prestação de serviços de transporte é a imprudência dos motoristas durante a condução dos veículos.

Para corroborar com essa informação, o Ministério de Transporte levantou dados que comprovam que 53,7% dos acidentes são causados pelo desrespeito às leis de trânsito ou pela falta de atenção dos condutores. 

Ao fazerem o gerenciamento de riscos de um negócio de transportes, os responsáveis devem verificar determinados dados, como as características da carga (se é visada para roubo), se o destino se encontra em zona com alto índice de roubo e outros detalhes que podem auxiliar a empresa a escolher a cobertura certa para os serviços prestados. 

Quais os tipos de coberturas disponíveis em um seguro?

Existem três coberturas principais quando falamos do seguro de carga a ser aplicado para as transportadoras, que diferem em sua amplitude de atuação diante dos riscos citados. Veja a seguir! 

Cobertura Básica Restrita C

É a cobertura mais simples dentre as citadas. Ela protegerá a carga contra qualquer acidente causado pelo ato do transporte. Por exemplo, em caso de incêndios, encalhe, capotagem, colisão, tombamento, descarrilamento do veículo ou perda do volume transportado, seja qual for o tipo de veículo utilizado.

Cobertura Básica Restrita B

Um pouco mais ampla que a Restrita C, essa cobertura, além de todos os aspectos citados acima, ainda protege a carga em caso de desmoronamento, inundação, enchentes, terremotos ou erupções vulcânicas. Ou seja, qualquer dano causado por desastres naturais. 

Cobertura Básica Ampla A

Além de tudo o que engloba as coberturas citadas acima, a Ampla A protege a carga de qualquer outro fator externo não previsto que venha a danificar a mercadoria, sendo a mais abrangente entre as três. 

Caso a empresa tenha uma mercadoria que precise de proteções específicas, como produtos congelados ou mercadorias vivas, existem coberturas adicionais específicas que trarão proteção extra, caso contratadas. 

De que forma é feito o acionamento e qual o prazo para receber as indenizações?

Para acionar a seguradora no caso de um acidente ou roubo, é preciso reunir toda a documentação e as informações comprobatórias do sinistro, junto ao formulário de aviso do ocorrido. Os documentos requisitados podem mudar de acordo com a prestadora do serviço, mas os principais são: 

  • aviso do sinistro;
  • cópia da apólice;
  • certificado de vistoria emitido por comissário autorizado;
  • notas fiscais e demais faturas da carga;
  • manifesto da carga; entre outros. 

O prazo para recebimento das devidas indenizações é de 30 dias, que começam a ser contados a partir da entrega de toda a documentação à seguradora. 

O que interfere no valor a ser pago na contratação de um seguro de carga?

Diversos pontos podem interferir no valor pago por um seguro de carga, por esse motivo, é de fundamental importância a transportadora ter certo conhecimento sobre seguros e saber exatamente do que precisa. Os principais elementos a influenciar o custo do seguro são:

  • tipo de operação que a empresa realiza;
  • volumes transportados;
  • coberturas escolhidas;
  • tipo de mercadorias;
  • valor do produto a ser transportado. 

Mesmo sendo obrigatório, muitas empresas escolhem por trabalhar sem os seguros, o que coloca em risco a carga transportada, os veículos da frota, a imagem do negócio e, principalmente, a relação da empresa com o cliente. O seguro de carga é um custo necessário para que não ocorram prejuízos maiores. 

Gostou deste artigo? Confira outros assuntos interessantes no nosso Blog.

Mais pessoas podem aprender. Compartilhe!

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *